Reciclagem: Lixo eletrônico por dtctelecom

O Brasil está entre os maiores produtores de lixo eletrônico no mundo com mais de 1,4 milhão de tonelada produzido anualmente.

Postado em 08 de fevereiro de 2019

105 visualizações


As pilhas, baterias e lâmpadas fluorescentes são consideradas resíduos perigosos, pois liberam elementos tóxicos que podem prejudicar o meio ambiente e a saúde das pessoas. Por essa razão, esse material não pode ser descartado no lixo comum, pois exige um cuidado maior para evitar qualquer tipo de problema com contaminações e acidentes.

No Brasil, o descarte de pilhas e baterias é regulamentado pela Resolução CONAMA 401/2008. Essa norma estabelece os limites máximos de chumbo, cádmio e mercúrio (substâncias prejudiciais à saúde) para pilhas e baterias comercializadas em todo o território nacional, além de critérios e padrões para o seu gerenciamento de maneira adequada.

Há também a Lei Federal nº 12.305/2010, cujo texto instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que trata sobre alguns aspectos relativos ao destino de materiais inservíveis. Entre outras coisas, essa lei obriga a implementação de sistemas de logística reversa (após o uso, os produtos são devolvidos e recolhidos para tratamento adequado) por parte das fabricantes de produtos eletrônicos, pilhas e baterias.

Lixo Eletrônico no mundo
Com o avanço da tecnologia, houve um aumento considerável no consumo de equipamentos eletrônicos. Apesar de possibilitar ganho de produtividade e um maior acesso ao entretenimento e comunicação, o efeito negativo dessa evolução é o aumento significativo do lixo eletrônico, o que se deve muito à
aceleração da vida útil dos aparelhos tecnológicos que ganham atualizações e novas funcionalidades em espaços de tempo cada vez mais curtos.

De acordo com um estudo da United Nations University em parceira com a International Telecommunication Union, o mundo produziu cerca de 44,7 milhões de toneladas de lixo eletrônico. Em 2021, a expectativa é atingir a marca de 52,2 milhões de toneladas de lixo eletrônico produzido por ano no mundo todo.

No Brasil, estima-se que a produção anual de lixo eletrônico seja de 1,5 milhão de toneladas. Isso significa cerca de 7,4 kg produzidos por cada habitante.
Diante desses números alarmantes, fica claro a necessidade de cada vez mais se preocupar com a destinação correta do lixo eletrônico e fomentar a cultura do reuso e da reciclagem de materiais.

Caso tenha interesse em descartar algum equipamento eletrônico, faça uma pesquisa nos sites eCycle e CEMPRE (Compromisso Empresarial para Reciclagem).
Deixe seu comentário, dica ou sugestão de algum tema para os próximos conteúdos. Compartilhe com os amigos.

Fonte de Informações: Biblioteca virtual de São Paulo